Adicionar por Snapcode


Para Kelly, que não morreu porque deu uma carona

grief_after_long_goodbye_shutterstock_1600x500

O rosto da Kelly, a menina que morreu depois de combinar uma carona pelo WhatsApp, aparece no meu feed cada vez que conecto no Facebook. São tantas notícias usando a foto de Kelly que sinto quase como se a gente se conhecesse.

Em diferentes grupos, ouvi as mesmas opiniões: “Ela não devia ter dado carona para um estranho”. Até agora, não consegui encontrar sequer uma pessoa que concordasse comigo (talvez essa pessoa seja você que me lê, quem sabe).

A Kelly não morreu porque deu carona a um estranho. A Kelly morreu porque um homem matou ela.

É uma realidade bem mais dura. E que dói bem mais. Talvez por isso muitos não parem para pensar nela. É mais fácil julgar a Kelly e dizer que a culpa foi ter dado carona à pessoa errada.

Li que a Kelly estava juntando grana para fazer uma festa de casamento. Sei como é ter que juntar dinheiro para algo que se quer muito. Sei como é ter de economizar em absolutamente tudo. Para quem está economizando, onde der para sobrar alguns reais, é vantagem. Provavelmente, ela dava carona para dividir os custos das viagens que fazia. Viagens essas, que ficam cada vez mais caras em um país onde a gasolina sobe todo mês.

Naquele dia, Kelly tinha combinado de dar carona a um casal. Na hora da viagem, só o homem apareceu. Kelly o levou mesmo assim. “Ah, mas ela devia ter dito que não!” Não sei se no lugar da Kelly, depois de ter combinado uma carona com duas pessoas, se só uma delas aparecesse, eu teria dito “Não vou te levar”. Você diria? Não sei se na hora me passaria pela cabeça que a pessoa que apareceu era alguém que me mataria e arrastaria meu corpo até um rio só para roubar as rodas do meu carro. Você teria pensado nisso?

Não sei. Não dá para julgar. É fácil julgar.

O cara que pegou carona com a Kelly não deveria nem estar em liberdade, já tinha sido condenado por vários outros crimes. Eu sei, você já viu essa história antes. Mas o fato de ela se repetir não a deixa menos revoltante. E, certamente (e infelizmente), esse cara não passará o resto da vida na prisão por causa de mais esse crime.

“Mais esse”, para ele. Para a família e os amigos da Kelly, o crime que mudou a vida deles. Para ela, o crime que acabou com todos os seus planos. Para sempre.

 

 

Level Cult Facebook